segunda-feira, 6 de julho de 2009

Kamen Rider Black RX

Kamen Rider Black RX - Série em 47 capítulos (1988-89) - ToeiCompany, Japão

Muitas das fontes que pesquisei falavam de Kamen Rider Black RX como a continuação do Kamen Rider Black anterior. Mas, na verdade, essa continuação, se é que ela existe mesmo, se limita só ao primeiro capítulo, e ainda assim opiniões podem variar. Menos "Black" do que o anterior, menos empolgante também. O novo visual do homem-gafanhoto ficou mais limpo, e parece estar pelo menos uns seis anos à frente do antecessor. Mas a região do tórax ficou verde (!), lembrando alguns dos primeiros Riders, como os de 1971-73. E como eu cresci assistindo mais o Black do que o RX, vou ficar com o look do primeiro como preferência.

A nova série ganhou um aspecto mais descontraído, já que Issamu Minami foi morar com um casal atrapalhado (Sahara) e seus filhos (Shigero e Hitomi). É provável que estivessem procurando, com isso, manter o público infantil. Os novos vilões do Império Espacial Crysis parecem fichinha comparados às investidas barra pesada dos Gorgom.


A história - Sabendo da fama de Issamu como herói na Terra, o Império Crysis, representados pelo General Jark e pelos quatro comandantes (Gadorian-divisão de monstros; Bosgan-armas; Mariebaron-magia; e Gatezon-robótica) oferecem-lhe a duplicação de seus poderes em troca da cumplicidade para que possam invadir a Terra. Issamu obviamente não aceita, e então é jogado à deriva no espaço. Quando o seu Kingstone entra em contato com a radiação do sol, ele é lançado de volta à Terra, e renasce como Kamen Rider Black RX, o Filho do Sol!

RX irá então enfrentar uma série de monstros, biônicos ou orgânicos, para impedir duas pretensões de Crysis: a invasão do planeta e a pretensão de deslocar a dimensão natural dos crysianos para a Terra, o que acabaria com a vida aqui, por conta da atmosfera e temperaturas incompatíveis.


Formas alternativas - Ao que parece, até os produtores devem ter percebido que a série, quanto mais avançava, mais cansativa ficava para quem estava acompanhando-a integralmente. Por isso, senti que sempre que eu não estava mais disposto a continuar vendo, aparecia algum fator surpresa (o que funcionou, já que eu vi do começo ao fim). Primeiro foi a reaparição de Shadow Moon por alguns capítulos, depois as formas alternativas de RX, e por último a união de todos os Riders anteriores a Issamu Minami, reconstruídos como na época de origem, para ajudá-lo no combate final.
Entre as até então inéditas formas alternativas, a primeira foi a do Robô Rider, e a segunda do Bio Rider. Ambas aconteceram como uma mutação, ocorridas numa fase em que a menina Hitomi estava em mãos de Crysis. O Robô Rider nasceu quando RX pensou que Hitomi tinha morrido. Segundo o narrador, uma nova fusão ocorreu depois do contato das lágrimas de RX com o Kingstone. As vantagens de RX Robô Rider, o Filho da Tristeza, eram uma força ainda maior e a resistência quando exposto à altas temperaturas.

Bio Rider surgiu dois episódios depois, quando RX se viu preso no subsolo, correndo riscos e sem chances de escapar vivo. No momento em que RX soltou um forte grito, o Kingstone converteu-se novamente, gerando Bio Rider, o Filho da Ira. Suas vantagens eram a maior agilidade e a capacidade de se desmaterializar para escapar do perigo.


Veículos e armas - A nova moto de Kamen Rider RX é a Acrobatter, que também possui formas alternativas: Roboiser para Robô Rider, e Iron Snacke para Bio Rider. RX é também o primeiro Rider a possuir um carro, o estranho Hidron.
O novo golpe do herói é o Chute RX. Mas o golpe final nos monstros é agora uma perfuração com a Mettalion, espada que lembra a dos Jedis de Star Wars. Por outro lado, Robô Rider possui a arma laser Tiro Vortex, e Bio Rider tem a espada de corte Max Sabre.
Kamen Rider Black RX foi o último produzido sob a supervisão do criador Shotaro Ishinomori, época que ficaria conhecida como Era Showa. A série só retornaria em 2000, com o "High Tech" Kamen Rider Kuuga, já com todos os recursos, para o bem ou para o mal, da nossa Era Digital.

5 comentários:

akio disse...

Nico, se essas séries fossem adaptadas para o cinema, será que obteriam bons resultados ou fracassariam como no caso do Spice Ryder?(é assim que se escreve?)
Os Transformers está bem posicionado.
Abraço
Akio

akio disse...

Nico, legal o seu comentário. Vê-se que você é um pesquisador de primeira.
A parte mais engraçada desse vídeo foi quando o
japa saiu de cueca estampada e faz reverência no meio da rua..ahh..
Mas as cenas de ação são contínuas, diálogos somente o necessário.
Abraço
Akio

Nicodemos Bozzolan disse...

Akio, agora você tocou num ponto muito legal quando falou em adaptar para o cinema. Aguarde minha próxima postagem para saber mais. Abraço.

Anônimo disse...

acompanhei com muito intusiasmo a saga de black kamen rider, essa serie foi muito bem produsida e elaborada,ao contrario de rx... Essa nova saga é muito cansativa e me parese que o altor em um dado momento da historia se perde tornando tudo muito confuso e enfadonho, no entanto achei interesante as mutaçôes de rx em outros raides sem contar no fantastico modelo de acrobatter... Em relação ao black kamem rider só tenho uma coisa a dizer:Achei muita prematura a morte dos sacerdotes,o que da enterder que o altor não tinha mais inpiração e finalizou a saga de uma forma repentina e triste deichando alguns fãs tristes com o tragico fim de shadow moom... por que não o salvar e terminar todos felizes para sempre...não gostei do final emborá tenha curtido toda a saga,e se rx é a continuação da saga anterior issamu assumil a postura de moleque e não mais daquele guerreiro serio como era antes..perdeu a indentidade.

Goggle Red disse...

Os Kamen Rider atuais tendem a ser ainda mais irreverentes do que foi o RX. É uma característica natural, com a cara dos nossos tempos. Black foi um tipo de série Rider mais adulta, assim como as primeiras, mas tanto um quanto o outro contribuíram muito para a evolução: Black com seus efeitos especiais e RX com suas mutações. :D
Abraço - Goggle Red.